IMG_9625

Quando o movimento de rumo ao Sul se inicia, eu estou de regresso. Todos os anos assim. Cada vez mais a apreciar que assim seja. Nos últimos dias de primavera, vão-se buscar os fatos de banho, roupas leves e os livros que se querem ler por estes dias e ruma-se ao Sul.

IMG_20160621_154939

IMG_9645

Não entendo bem o que são as leituras «leves» de verão. Para além de levar alguns quilos, continuam a ser os mesmos livros que gosto de ler no inverno, na primavera ou no outono.

Nova imagem4

O verão não altera as minhas preferências literárias, mas influencia claramente as minhas escolhas culinárias. Ai sim há comida de verão e há comida das restantes estações do ano, quanto mais não seja porque a sazonalidade (que tanto aprecio) assim o determina.

Os dias no Sul têm um ritmo diferente, fico muito mais longe da cozinha, mas nunca totalmente. Gosto de ir conhecendo restaurantes novos, mas gosto igualmente de voltar aos sítios do costume, aqueles que já fazem parte da minha narrativa por aqueles lados. Este ano tivemos sorte nas escolhas, nas descobertas.

IMG_20160623_215808

Nova imagem

Mas também tivemos sorte na pescaria, ou  apanha. Fomos ao lingueirão e correu bem, ao ponto de se preparar um arroz. Por isso, menos longe da cozinha, pelo menos um dia.

IMG_9633

Também se descobriram praias, daquelas que parecem um segredo e que assim queremos que continuem.

IMG_20160627_124645

Praias que não andam na boca de toda a gente, algumas com nomes estranhos que nem parecem portugueses, outras a que se acede por caminhos difíceis que deixa de fora os menos corajosos ou até os mais preguiçosos. Mas praias que no próximo ano não serão uma descoberta, que passarão a estar na lista dos sítios do costume.

IMG_20160621_100422

IMG_20160627_190652

Como a piscina, que é sempre a mesma, mas que é sempre palco de muita animação.

Fica a receita do meu arroz de lingueirão, feito com o resultado de um dia de muito entusiasmo na apanha do dito.

Arroz de lingueirão com tomate e coentros

1 kg de lingueirão

1 chávena de arroz carolino

1 dl de azeite

1 cebola picada

3 dentes de alho picados

2 tomates

1 folha de louro

1 ramo de coentros

3 chávenas de água da cozedura dos lingueirões

sal q. b.

 

Preparação

Depois de lavar bem os lingueirões colocar num recipiente com água com sal aproximadamente 6 horas.

Lavar novamente, colocar num tacho com água sem sal só a cobrir o fundo, e levar ao lume. Quando levantar fevura, esperar 1 minuto e retirar. Reservar a água da cozedura.

Num tacho largo, deitar o azeite, a cebola e o alho e levar a lume brando para refogar até alourar.

Entretanto, separar os lingueirões das cascas e partir em 2 ou 3 bocados conforme o tamanho. Medir a água da cozedura e acrescentar água se for necessário para perfazer as 3 chávenas.

Juntar ao tacho do refogado o louro, o tomate e as 3 chávenas de água. Quando ferver acrescentar o arroz. Retomando a fervura baixar o lume para o mínimo, e deixar cozer cerca de 12 minutos. A meio da cozedura juntar os lingueirões e no último minuto acrescentar os coentros picados. Servir de imediato e apreciar o mar na boca.